A freguesia de Reigoso pertence ao concelho de Oliveira de Frades (do qual dista cerca de 11 quilómetros), no distrito de Viseu. Ocupando uma área de 12.72 km2, apresenta como freguesias limítrofes Pinheiro, Arcozelo das Maias, Destriz e Ribeiradio. O seu posicionamento estratégico contribuiu para que o povoamento de Reigoso tenha tido início em eras remotas. Foi no Murado que primeiramente os povos castrejos se instalaram, podendo ver-se ainda hoje o que resta de um povoado fortificado. Os romanos, afeiçoados a terras planas, preferiram a parte mais baixa do território, cortando-o de lés a lés com uma importante estrada. Desta via conserva-se um troço em Entráguas e dois marcos miliários de César Numereano e Constantino Magno.

Durante a Idade Média, o alcaide Cerveira e sua mulher ordenaram a edificação da albergaria de Reigoso, que tinha gravada na frontaria a seguinte mensagem: “Peregrinos vinde ao hospital de Reigosa, que vos darey caza cama agoa fogo azeyte e sal”. Assim, a freguesia tornou-se ponto de passagem obrigatória para aqueles que a visitavam. A freguesia pertenceu, até meados do século XIX, ao concelho de Lafões, sendo que em meados desse século já fazia parte do concelho de Oliveira de Frades.

A evolução demográfica de Reigoso caracteriza-se por um período de aumento populacional que teve início no século XIX e que se prolongou até 1981, ano em que a freguesia contava com 402 habitantes. A partir dessa altura, verificou-se um decréscimo na densidade demográfica da freguesia. De facto, dez anos depois, o número de habitantes era de 390.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, residiam em Reigoso 375 moradores aquando do Censos 2001. Este número pecará por defeito, visto que o crescimento da zona industrial tem fixado a população e captado trabalhadores de zonas próximas à freguesia.

As actividades económicas predominantes são as ligadas ao sector secundário, também por causa do crescente desenvolvimento da zona industrial.